Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
Translate this Page
ENQUETE
Como é seu hábito de leitura da Bíblia?
Leio todos os dias.
Leio de vez em quando.
Não leio a Bíblia.
Ver Resultados

Rating: 2.8/5 (433 votos)




ONLINE
1





Partilhe este Site...



 

 

 


LIÇÃO 07 – TUDO POSSO NAQUELE QUE ME FORTALECE
LIÇÃO 07 – TUDO POSSO NAQUELE QUE ME FORTALECE

INTRODUÇÃO


A vida cristã não é só de bênçãos, ela inclui sofrimentos e privações, a exemplo disto, temos o apóstolo dos
gentios, Paulo. Este instrumento escolhido por Deus, com a finalidade de levar seu nome por onde fosse enviado,
padeceu necessidades, como uma pessoa qualquer. No entanto, a despeito das agruras que sofreu, como um fiel
seguidor de Cristo, contava com o seu poder que lhe proporcionava condições de viver os altos e baixos da vida,
sempre com regozijo e fé, tornando-se exemplo para todas as gerações de cristãos (Fp 4.9).


I – O CONTEXTO DO APÓSTOLO PAULO


A epístola aos filipenses foi escrita pelo apóstolo Paulo, entre o ano de 61 a 63 d.C, quando provavelmente
se encontrava preso em Roma (Fp 1.13/4.22). O apóstolo confirma seu encarceramento com suas próprias palavras
(Fp 1.7;13). No entanto, apesar de estar sob esta condição, escreveu esta carta aos cristãos com imensa alegria que
ardia em seu coração, e que usa como exemplo para exortá-los a sentirem o mesmo: “Regozijai-vos sempre no
Senhor; outra vez digo, regozijai-vos” (Fp 4.4).
A surpreendente ocorrência da palavra “alegria” na carta levou os filipenses a conheceram-na como
“a epístola da alegria”. O substantivo “alegria” ocorre cinco vezes (Fp 1.4,25; 2.2,29; 4.1) enquanto o verbo
“regozijar-se” aparece nove vezes (1.18; 2.17,18,28; 3.1; 4.4,10). Esta alegria apesar do sofrimento, só pode ser
desfrutada por aqueles que têm o fruto do Espírito (Gl 5.22).
É perceptível no conteúdo desta carta, que Paulo conseguia extrair de circunstâncias adversas, coisas boas.
Podemos destacar aqui alguns efeitos positivos tirado de situações negativas, que ele experimentou:
· As cartas que Paulo escreveu na prisão, em Roma (Efésios, Filipenses, Colossenses e Filemon), serviram e
ainda servem como compêndio doutrinário para a igreja de Cristo;
· A defesa do apóstolo, perante César no pretório, fez com que suas doutrinas se tornassem conhecidas no
palácio e em outros lugares: “De maneira que as minhas prisões em Cristo foram manifestas por toda a
guarda pretoriana, e por todos os demais lugares” (Fp 1.13);
· Os cristãos tomaram ânimo ao ver Paulo sendo preso pela fé que professava, e pregavam o evangelho sem
receio do que lhes podia acontecer “E muitos dos irmãos no SENHOR, tomando ânimo com as minhas
prisões, ousam falar a palavra mais confiadamente, sem temor” (Fp 1.14);
· Paulo não conseguia escolher qual seria melhor a vida ou a morte, porque em ambos estava com Cristo:
“Segundo a minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com
toda a confiança, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida,
seja pela morte. Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho” (Fp 1.20,21);
· Sua necessidade despertou nos irmãos de filipos o desejo ardente de ajudá-lo com uma oferta que Paulo
considera de grande valor: “Mas bastante tenho recebido, e tenho abundância. Cheio estou, depois que
recebi de Epafrodito o que da vossa parte me foi enviado, como cheiro de suavidade e sacrifício
agradável e aprazível a Deus” (Fp 4.18).


II – O QUE PAULO QUERIA DIZER


Infelizmente, não são poucos os que declaram a frase: “tudo posso naquele que me fortalece”, ignorando o
seu real significado. “O sentido mais popular dada a ela expõe mais presunção do que confiança; mais
triunfalismo do que verdadeira fé. Fora do seu contexto, o entendimento que lhe é atribuído é que o crente
pode possuir o que quiser, já que é Deus quem lhe garante isso. Tudo posso ganhou o sentido de “tenho
posse”. Passa então a ser usado como um mantra que garante a conquista de bens materiais seja em que
condição for” (GONÇALVES, 2011, p. 95).
Mas, o que Paulo realmente queria dizer com a célebre frase: “Posso todas as coisas naquele que me
fortalece”. Para descobrirmos exatamente o que o apóstolo tinha em mente ao fazer tal declaração, devemos
recorrer ao contexto deste versículo. Afinal de contas um dos grandes erros cometidos quanto a Bíblia, é o de
interpretar um texto isoladamente, sem analisar o que diz o contexto, ou seja, o texto que vem antes ou depois do
texto. Não devemos interpretar um texto sem o auxílio do contexto, pois, “um texto fora do contexto é um pretexto
para heresia”.
Eis aqui o que algumas coisas merecem destaque nas palavras de Paulo em filipenses 4.11-13. Confira:
· A declaração paulina contida em (Fp 4.13) não se trata de uma confissão positiva, muito pelo contrário. Esta
expressão foi dita após as árduas experiências vividas pelo apóstolo (I Co 4.11-13). Estas lhe ensinaram a
contentar-se com o que possuia, como ele mesmo confessa em suas palavras: “Não digo isto como por
necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho”. Enquanto Hagin ensina aos seus
adeptos almejarem coisas altas, aprendemos com Paulo a nos acomodarmos as coisas pequenas (Rm
12:16);
· A expressão “contentar” usada por Paulo significa: ter prazer; estar satisfeito. Ou seja, ele diz estar satisfeito
com o que tem. Esta declaração nos deixa evidente que a Teologia da Prosperidade faz parte de um
evangelho que o apóstolo jamais pregaria. Pois enquanto o apóstolo prega contentamento com o que tem
“pouco ou muito”, Hagin prega que o cristão obrigatoriamente tem que ter muito, porque pouco é falta de fé
ou pecado;
· Outra coisa que merece ser considerada é que antes de Paulo declarar: “posso todas as coisas em Cristo
que me fortalece” (Fp 4.13), ele diz o que pode: “Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em
toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter
abundância, como a padecer necessidade” (Fp 4.12). Percebe-se nitidamente o que realmente Paulo
queria dizer era que ele podia em Cristo viver sob qualquer condição, porque este lhe supria: “O meu Deus,
segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus” (Fp
4.19).


III – O QUE CRISTO CONCEDEU A PAULO


Algumas traduções modernas da Bíblia traduzem o verso praticamente igual como “tudo posso naquele que
me fortalece”, já a Bíblia NTLH (Nova Tradução da Linguagem de Hoje), traz uma tradução bastante interessante
“Com a força que Cristo me dá, posso enfrentar qualquer situação”. Percebe-se claramente que o apóstolo apoiavase
na dependência de Cristo, sua fortaleza. A palavra “fortalecer” no original grego “enduamo” significa: infundir
forças, empregado para indicar, dois tipos de força:
3.1 Força da fé: “E não duvidou da promessa de Deus por incredulidade, mas foi fortificado na fé, dando
glória a Deus” (Rm 4.20).
3.2 Força espiritual: “No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder” (Ef 6.10).
Como podemos ver, a declaração paulina em (Fp 4.13) que diz: “naquele”, que no original está a palavra
grega “Cristo” que traduzido é Messias, mostra-nos que Cristo é a fonte da sua força. Por isso, em nenhum
momento, encontramos Deus livrando Paulo dos sofrimentos, muito pelo contrário encontramos inúmeras vezes
Deus fortalecendo-o nos sofrimentos, isto o fazia pregar sem medo, mesmo sabendo, que podia sofrer as piores
agruras: “Ninguém me assistiu na minha primeira defesa, antes todos me desampararam. Que isto lhes não
seja imputado. Mas, o Senhor assistiu-me e fortaleceu-me, para que por mim fosse cumprida a pregação, e
todos os gentios a ouvissem; e fiquei livre da boca do leão” (II Tm 4.16,17).


CONCLUSÃO
Definitivamente, os pregadores da prosperidade não podem usar a vida do apóstolo Paulo, como uma
referência de alguém que nunca passou privações, dores e sofrimentos, para afirmar suas estranhas doutrinas. Visto
que o mesmo fora advertido assim que se converteu que “ia sofrer pelo Nome de Cristo” (At 9.15,16). No entanto,
gloriava-se nas tribulações que passou por três motivos: 1. porque reconhecia que elas produziam nele paciência
(Rm 5.3); 2. porque elas são leves e momentâneas (II Co 4.17) e 3. Porque que não podem ser comparadas com a
glória que em nós há de ser revelada (Rm 8.18).


REFERÊNCIAS
· PIERATT, Allan B. O evangelho da prosperidade. Vida Nova.
· MACARTHUR. Bíblia de Estudo. SBB.
· GONÇALVES, José. A verdadeira prosperidade. CPAD.
· SHEDD. Bíblia de Estudo. SBB.
· NTLH. Bíblia de Estudo. SBB.

Fonte:Ass. de Deus em Moreno-PE